Entrevista com Norb Howell, BIM Manager da Gannett Fleming

Gannett Fleming: uma grande empresa na onda do BIM

Uma empresa multidisciplinar de engenharia e arquitetura que atende uma grande variedade de clientes nos setores público e privado fala para a Autodesk Q&A sobre sua mudança para a Modelagem da Informação da Construção (BIM).


Quando a Gannett Fleming começou a usar BIM?


Norb Howell: Há mais de 5 anos, e eu cheguei há cerca de 4 para solidificar o BIM na empresa. Para o nosso porte – temos mais de 2 mil empregados – adotar BIM foi uma mudança cultural muito forte. Não há maneira de trazer uma mudança como essa em um ou dois anos. Hoje, usamos BIM em 90% dos nossos projetos.

“Para ser competitivo, não podemos sentar e esperar o BIM se tomar a indústria; devemos estar na vanguarda do uso do BIM.”


Quais algumas das chaves para essa transição para o BIM ser um sucesso?


NH: Nós abordamos o BIM como um método e um processo, e por etapas. Não chegamos para as pessoas e falamos, “Vocês farão tudo em BIM a partir de agora.” Nós dissemos, “Iremos mudar o jeito com que realizamos certas tarefas.” Nossa transição teve o apoio de treinamento e ajuda do nosso time durante todo o projeto. Além disso, conseguir que os gerentes da empresa comprem a ideia do BIM se mostrou essencial. O apoio para uma mudança tão drástica precisa vir do topo no início do processo.


David Butts, Especialista BIM na GF: Para os primeiros projetos, nós começamos de um jeito não usual: não começamos com projetos mais simples. Pegamos alguns projetos mais complicados – naqueles que todos diziam que nós conseguiríamos aplicar BIM. Iniciamos basicamente no nosso grupo de tratamento de água e esgoto, onde você tem complexidade, mas também muitas oportunidades para o BIM ajudar a melhorar a coordenação. Provando assim que o BIM agregou valor nos projetos de água e saneamento, facilitando o trabalho com outros setores. Nós vencemos as pessoas que estavam céticas quanto ao BIM fazer a diferença nos seus projetos.


Você pode falar um pouco mais sobre o quão importante ter o apoio dos líderes da empresa?


NH: Quando você tem o BIM como uma prioridade vindo de cima, é difícil argumentar contra o seu uso nesse ou naquele projeto. O líder da Gannett Fleming que iniciou a mudança para o BIM teve um pensamento bastante inovador. Ela percebeu que para ser competitivo, não podemos sentar e esperar o BIM tomar a indústria; devemos estar na vanguarda do uso do BIM. Líderes de empresas reconheceram a importância não só da tecnologia do BIM, mas também de integrá-lo nos nossos processos e cultura. Quando começamos, integrar BIM na nossa empresa era um dos maiores objetivos da mesa de diretores.


E quanto aos clientes? Como você apresenta o BIM para eles?


NH: Parte do meu trabalho é explicar o valor do BIM aos nossos clientes. BIM não significa apenas a modelagem 3D. BIM é um processo, e esse processo inclui a interação do cliente assim como a interação do time de projeto. O BIM é o ponto central para as informações do projeto. Nós tentamos colocar a maior quantidade possível no modelo. Isso nos dá uma base para utilizar informações mais completas para fazer o que se é necessário para seguir com o projeto, sendo isto conduzir revisões de projeto com o cliente ou coordenar projetos.


Que conselho você daria a um colega tentando ajudar uma grande empresa na transição ao BIM?